10º SGBM atua em favor da implantação da Unidade Avançada de Prevenção e Diagnóstico do Câncer ‘Hospital de Amor’ em Dourados

Categoria: Geral | Publicado: sexta-feira, março 23, 2018 as 14:46 | Voltar

Fátima do Sul (MS) - Uma fração de bombeiros militares do 10º Subgrupamento de Bombeiros Militar Independente esteve presente hoje na ação da sociedade civil organizada de fomentar a implantação da Unidade Avançada de Prevenção e Diagnóstico do Câncer ‘Hospital de Amor’ em Dourados/MS, atendimento este que certamente será regionalizado a diversos municípios do cone sul do Estado.

A revista brasileira INCÊNDIO, em 2016, divulgou matéria alertando para a propensão de maior incidência de câncer nos bombeiros militares em relação a população em geral.

Na época, alertou-se que nos Estados Unidos, por exemplo, o Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional consultou 30 mil bombeiros atuantes e aposentados de Chigaco, Filadélfia e San Francisco. A análise, divulgada em 2010, constatou uma quantidade crescente de evidências epidemiológicas que liga exposições ocupacionais de combate a incêndios para várias formas de câncer, incluindo o câncer de cérebro, de trato digestivo e alguns tipos relacionados ao sistema respiratório.

O Comandante do 10º SGBM/Ind., Major QOBM Leonardo Rodrigues CONGRO, destaca a importância desta ação da sociedade civil organizada de Dourados e região em prol de dotar o cone-sul do Estado com estrutura de referência para prevenção, diagnóstico e intervenção de baixa e média complexidade para atuar em prol de Dourados e região e comenta:

"Nós, bombeiros militares, vemos como salutar essa iniciativa e estamos à disposição para apoiar a implantação dessa unidade avançada contra o câncer para Dourados e região. Os atuais componentes empregados na construção de nossas casas, comércios e indústrias aliado aos diversos utensílios utilizados pela sociedade atual, quando incendiados, tornam as fumaças potencialmente tóxicas, sendo que a utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) vital para o bom desempenho dos combatentes. Todavia, mesmo com uso de EPIs há certa inalação de fumaça no ato de extinção e rescaldo, potencializando o risco de surgimento de casos de câncer em nossos militares."

Publicado por:

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.